Tubo Guia para Agulhas Térmicas Série GT

GT Series

As tubulações guia da série GT são acessórios para sondas de agulha de não equilíbrio em estado estacionário. Elas são projetadas para facilitar medições em solos duros, concreto, cimento e bentonita. Também em caso de medições em grandes quantidades de amostras, é possível usar várias tubulações guia e uma única agulha. No caso de solos duros, uma abordagem típica é perfurar previamente um orifício, inserir a tubulação guia, compactar o solo novamente e realizar a medição.  Um problema recorrente é que a inserção em solos duros, bentonitas e cimentos é bastante difícil. O principal problema é a dificuldade de inserir agulhas nesses materiais rígidos. O uso de tubulações guia, em muitos casos, pode solucionar esse problema. A tubulação guia deve ser inserida no meio e a agulha pode ser inserida posteriormente.

Aplicações Típicas

  • Estudos de sedimentos oceânicos
  • Estudos de pequenas amostras
  • Estudos de amostras de alto custo (lodo de urânio)
SOLICITAR ORÇAMENTO
Método de teste ASTM D 5334-00 e D 5930-9, IEEE Std 442-1981
Equipamento Séries de 5 tubos, incluindo as tampas
Material Aço inoxidável
Extremidades da agulha Soldada
Tubo de proteção com tampa IP67

 

Tabela 1: Tubos da série GT e suas aplicações
Modelo Dimensões Agulhas
GT01 L = 90                 
OD = 2
TP08
GT02 L = 170 
OD = 2.38
TP02
GT03 L = 150 
OD = 4.50
TP07

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRECISÃO

O uso de tubos orientadores não tem impacto significativo na precisão da medição, já que o conjunto tubo+sonda se comporta essencialmente como uma sonda de maior diâmetro. Isso resulta em um tempo transiente maior antes do comportamento linear desejado (de temperatura versus o logaritmo do tempo)  no método NSSP. Este é um comportamento normal para agulhas grossas. Se for possível, é recomendável adicionar uma pequena quantidade de glicerol dentro do tubo antes da inserção da agulha para minimizar a resistência de contato, melhorando a repetibilidade da medição. Deve-se ter cuidado para não contaminar o material com o glicerol.

MODO DE USO

  1. Inserir o GT no material
  2. Embutir ou compactar, tanto quanto possível
  3. Retirar a tampa
  4. (Opcional) colocar uma pequena quantidade de glicerol no GT. Certifique-se de não derramar glicerol no material a ser medido
  5. Inserir a sonda no GT
  6. Realizar uma medição, aumentando o tempo de aquecimento em 50% em relação a uma situação normal
  7. Retirar a agulha
  8. Colocar a tampa no GT
  9. Se for o caso, remover o GT da amostra (em muitos casos o GT pode ser reutilizado)

 

Sonda Compacta de Estado Não-Estacionário TP08

NO-STEADY-STATE-PROBE NSSP -55 A 180 °C

A sonda de condutividade térmica TP08 é uma versão pequena da sonda TP02, para situações em que o cumprimento do TP02 se torna um problema. A sonda TP08 provou ser adequada para solos, materiais de aterros térmicos, sedimentos, alimentos, pós, lamas, tintas, colas e outros materiais. 

Sonda de Estado Não-Estacionário TP02

NO-STEADY-STATE-PROBE NSSP -55 A 180 °C

A  sonda TP02 realiza uma medição prática e rápida da condutividade térmica, ou resistividade térmica, do meio no qual ela é aplicada com a mais alta precisão. A sonda TP02 provou ser adequada para solos, materiais de aterros térmicos, sedimentos, alimentos, pós, lamas, tintas, colas e se baseia na técnica No-Steady-State-Probe. O TP02 foi projetado e testado em colaboração com o Grupo de Física Aplicada da Universidade de Wageningen.

Como podemos te ajudar?

FALE COM UM ESPECIALISTA